terça-feira, 9 de novembro de 2010

Pitágoras: Do Monocórdio a Guitarra Elétrica.

Pitágoras: Matemático e Filosofo Grego

O filosofo e matemático grego Pitágoras de Samos que viveu de 570 a.C. a 497 a.C. foi um dos primeiros teóricos musicais responsáveis em descobrir as razões matemáticas e físicas intrínsecas na escala musical utilizando um instrumento chamado Monocórdio que significa "um fio".
Monocórdio é um instrumento utilizado para o estudo de cálculos das relações com vibrações sonoras, por exemplo, a corda esticada entre os dois cavaletes (peças onde as cordas ficam apoiadas permitindo que a mesma vibre) vibra e produz uma determinada freqüência (nota musical) particular, quando movimentamos o cavalete móvel ate a metade da corda (1/2) e percutimos a mesma produzirá uma freqüência 2 vezes mais alta que a anterior (uma oitava acima), logo após repetimos o procedimento dividindo a distancia atual (a metade da metade 1/4) que produzirá uma freqüência mais alta (uma quarta justa) e assim por diante. Graças a esta paciência do Pitágoras temos a nossa escala musical temperada (divisão da escala em partes iguais) mas isso é outra historia que falarei em outro momento.
Ilustração do Monocórdio
Chegando no Século XX um jovem musico e engenheiro elétrico resolveu acabar com o problema de feedback nos instrumentos de cordas ocasionados pelo métodos de captação da época: este rapaz foi Les Paul o "Pai" da Guitarra Elétrica de corpo maciço, para os íntimos apenas Guitarra. Os instrumentos de cordas que conhecemos hoje nada mais são que um hexacórdio (ou seis monocórdios) com cavaletes fixos (chamados trastes) na extensão da escala. 
Vejamos um exemplo ilustrativo:

Guitarra de corpo maciço
(Modelo Les Paul Gibson)
Preste atenção nos números 2, 4 e 12. O número 2 chama-se capo traste que quer dizer algo como "primeiro traste" é responsável em apoiar as cordas como se fosse um cavalete e fixar as mesmas nas suas respectivas posições. O número 12 chama-se "ponte" é onde as cordas são fixa e também onde fica o cavalete. As peças de metal assinalada com o numero 4 são os substitutos do cavalete móvel estas peças chamam-se trastes. Quando pressiona-se o dedo no espaço entre os trastes a corda fica apoiada sobre o traste e o cavalete da "ponte" fazendo com que o tamanho da corda diminua produzindo freqüências cada vez mais agudas (vibrações mais rápidas).
Escala de guitarra com seus 27 trastes fixos

Formulas matemáticas que indicam a exata posição que um traste deve ser fixado na escala:





Para finalizar nunca mexa na ponte da guitarra sem conhecimento técnico, qualquer mudança na posição do cavalete mudara a extensão vibratória da corda ocasionando uma mudança no temperamento da mesma, simplificando é como se o trastes fixos precisassem ser modificados das suas respectivas posições.

Profº Rafael Souza
Disciplina: Arte

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário